Era uma vez em Whistler

Era uma vez em Whistler

Texto e fotos por Javier Molina Bustamante. Originalmente publicado em Bike Against the Machine

Preciso do título para parecer uma história fantástica. Embora essa história que eu vou contar seja real. Eu quero que pareça assim porque na Espanha, obter algo parecido seria pura ficção e prefiro contar o que aconteceu em Whistler como se fosse uma fantasia, pelo menos por enquanto.

Tudo começou há 25 anos, quando o movimento das bicicletas de montanha começou a rolar forte pelas montanhas do North Shore (montanhas do norte de Vancouver). Nasceu um movimento juvenil, casual, vibrante e eclético, que se baseou em desfrutar do ambiente natural de suas montanhas com bicicletas de montanha de forma divertida. Conheceu uma série de condições que o tornaram um esporte único e genuíno. Em essência, muito semelhante ao esqui, snowboard, escalada ou surf. Um esporte intimamente ligado à natureza e com um fundo nobre e espiritual. Aqueles que iniciaram o ciclismo de montanha praticaram alguns desses outros esportes. E essa é a parte que na Espanha falhou miseravelmente. Em Vancouver, esses atletas nunca foram vistos como inimigos da montanha, mas sim o oposto, jovens que praticavam um esporte saudável e espetacular para um ambiente fabuloso. Quem na mente certa não quereria praticar esse esporte? Que pai preferiria que seus filhos façam alguma outra coisa? Pouco a pouco, suas estradas estavam sendo construídas em todo o vale que liga Vancouver com Whistler; Grouce Mountain, Capilano, Squamish, Garibaldi, Whistler e Pemberton, conhecido como o corredor “Sea to Sky” e a poucos quilômetros da cidade de Vancouver. Tudo cresceu muito rápido, um pouco desordenado, caminhos muito divertidos, mas construído com deficiências devido à falta de materiais, visão técnica, licenças, etc …

lord2
Lord of the Squirrels, Whistler

Então, começaram os problemas com as autoridades e os diferentes usuários da montanha, então, em 1989, Garibaldi Park Management decretou a proibição de todo o uso de mountain bike na sua reserva. Esta foi a razão pela qual foi fundada a WORCA (Whistler Off Road Cycling Association), um grupo de entusiastas do esporte e moradores da comunidade que decidiram lutar por seus direitos e começou a ordenar, manter e legalizar todas as trilhas do Sea to Sky. Esta parceria com mais de 1.800 membros hoje é responsável pelo crescimento exponencial do setor de mountain bike em todo o mundo, mas em particular, conseguiu elevar sua comunidade como líder mundial na construção de trilhas específicas para mountain bike e líder em turismo de verão em seu país. Eles são os heróis desta história, mas, como todos os heróis, eles também têm aliados importantes que os ajudam em tempos difíceis, e foi o RMOW (Câmara Municipal de Whistler) que os ajudou no início a alcançar suas primeiras conquistas. Algo que aqui na Espanha parece uma piada. Que aqueles que ajudaram a criar essa comunidade com base no Freestyle e na descida eram da prefeitura? Político? Conselheiros? Sim Sim para tudo.

A comunidade e o conselho da cidade viram com seus próprios olhos os benefícios deste magnífico esporte e de mãos dadas, eles se uniram para criar o maior e melhor sistema de trilhas de todos os níveis e para todo o público do mundo. Inicialmente contratando um único trabalhador para manter e melhorar o que os voluntários fizeram. Eles começaram com as áreas mais próximas da estação de esqui e, enquanto o tráfego aumentava, de forma muito inteligente, eles criaram em toda a área de Lost Lake e Village uma rede de ciclovias, trilhas e trilhas (para todos os usuários, não apenas motos ) excepcional. Esta rede admite um grande volume de usuários e é claro para o público, os turistas e as autoridades, os benefícios de ter uma rede de transportes de baixo impacto ambiental, onde centenas de milhares de corredores, ciclistas e pedestres gastam um ano com um índice de conflitos entre o mínimo de usuários.

 

confortably

confortably2
Confortably Numb, Whistler

Em 1998, ele abriu o melhor parque de bicicletas do mundo. Claro, em Whistler. A fervura dos entusiastas dos esportes construindo trilhas em todo o vale aumentou em número e qualidade. Muitos deles sem permissão. Naquele momento, Chris Markle envolveu o cobertor em sua cabeça e passou 12 anos trabalhando como escravo, acampando semanas inteiras na natureza sozinho, enfrentando ursos selvagens e pumas, proprietários de terras que não o deixariam continuar nem mesmo com ele. A mesma prefeitura de Whistler. Mas o que criou este Trail Builder foi “Confortably Numb” uma trilha de 24 quilômetros que se tornou um lugar de peregrinação de toda a cultura da Mountain Bike. Legalizá-lo era uma verdadeira loucura, mas ao longo dos anos alcançou seu objetivo: tornar-se um Ícone do MTB. Nomeado pela International Mountain Biking Association (IMBA) com o status de “Epic Ride”, é, sem dúvida, o exemplo de perseverança, cabeça e coragem na forma de um caminho.

mystic1
Into the Mystic, Whistler

Durante estes anos, a WORCA e todos os seus aliados, focados em manter e melhorar as trilhas mais populares, bem como para consertar e ajustar as trilhas mais problemáticas e piores planejadas. À medida que o desenvolvimento do setor progrediu, muitas empresas começaram a depender exclusivamente da bicicleta de montanha e foi o momento em que a mudança foi concebida e já havia mais turismo das duas rodas do que de golfe, trekking, etc .. O esporte cresceu tanto que já não estava focado apenas nos três meses do verão, mas começou a ter uma demanda muito grande nas três estações não brancas.

 

top2
Top of the World, Whistler

Em 2005, o primeiro estudo sobre o impacto econômico da Mountain Bike no vale surgiu e o conselho da cidade decretou uma política de “zero perdas líquidas” em termos de trilhas, dando-lhe a importância que merece. Ou seja, o próprio conselho da cidade escreveu por escrito que não iriam deixar nenhum caminho morrer por falta de manutenção em toda a região, eles iriam cuidar dele como um verdadeiro tesouro e se houvesse fechado qualquer seção de qualquer um deles, seria compensado com uma extensão da trilha por alguma outra seção da mesma quilometragem. E assim foi pouco a pouco, através de acordos entre proprietários e governo, estudos de impacto ambiental, financiamento, taxas de adesão, bolsas, visão de negócios, voluntariado e boa disposição de todos os participantes, foi possível colocar a montanha bicicleta em todo o vale como a primeira fonte de renda do município nos meses de verão.

 

halfnelson
Half Nelson, Squamish

Recentemente, um estudo mais atual do impacto gerado pela Mountain Bike nas áreas de Whistler (Bike Park), Lost Lake, Cross-Country e Crankworx (o evento de mountain bike mais bem sucedido do planeta), não é adequado para os incrédulos do esporte http://www.worca.com/2016-whistler-ei-study/

Neste estudo, vou me basear em detalhar a moral desta história idílica para todos aqueles que amam a natureza e o mountain bike. Uma moral que na Espanha teria um tom mais lúgubre, com muitos protagonistas anônimos que enfrentavam um personagem maligno que poderia ser qualquer um; de inveja, corrupção, tradição, política, burocracia, falta de unidade, visão, falta de cultura … Os antagonistas deste país são inumeráveis.

whistler5
A rede de trilhas enduro e XC é muito mais extensa do que o que só existe no Bike Park. Aqui Turro experimentando as sensações em “Half Nelson”, Squamish

Esta história termina com Whistler (apenas no Bike Park) são mais de meio milhão de passes vendidos em 2016 (US $ 69 por dia), dos quais 102.500 são turistas. Quase 47 milhões de dólares geraram diretamente no Parque pelos visitantes nas férias lá (dos quais mais de 18 milhões são atribuíveis a salários e salários). Praticamente 400 empregos criados apenas no Bike Park. Mas atribuível ao parque de bicicletas também são 75,9 milhões de dólares indiretamente na atividade econômica somente na Colúmbia Britânica. Outros 39,3 milhões de dólares em produtos domésticos brutos que vêm diretamente da temporada de verão e mais de 14 milhões cobrados de impostos. Não há nada. A estadia média no parque de bicicleta é de 6,6 noites, deixando uma média de quase US $ 700 por dia e acumulando 18 milhões e meio (apenas em despesas de acomodação, comida e compras), excluindo passes de esqui e equipamentos de aluguel.

whistler6
Dani Castellanos, 12 anos e um verdadeiro “shredder” local nos meses de verão

A área familiar de Lost Lake, dedicada mais às disciplinas do Enduro, tem uma média de visitas de 5,3 noites, gastando uma média muito similar de US $ 676 por noite e gerando um impacto econômico de 7,8 milhões de dólares (apenas em despesas de alojamento e compras, excluindo passes de esqui e equipamentos de aluguel).

O atribuído às estradas Cross Country aumenta a média de visitas para 7,1 noites gastando um total de US $ 896 por dia e gerando um impacto econômico de 12,7 milhões de dólares (somente nas despesas de hospedagem e compras, excluindo passes de esqui e equipamentos de aluguel).

E agora os números do evento mais importante da Mountain Bike: CRANKWORX. O ponto culminante do que essa moda criou. Uma demonstração do que pode ser feito com determinação, cabeça e visão, reunindo na mesma semana os melhores pilotos do planeta, com um show diário, onde milhares de amantes do esporte vêm de centenas de países ao redor do mundo para Participe, aproveite e viva, a mais espectacular celebração da Mountain Bike.

whistler7
Este foi o Crankworx 2017 para o “Speed ​​& Style”

130.158 pessoas vieram vê-lo e / ou participar. Gastaram em uma semana mais de 14 milhões de dólares, criando 126 empregos e gerando um impacto econômico de 26,2 milhões de dólares em toda a Colúmbia Britânica. Com uma cobrança de impostos de 4,8 milhões e onde os participantes do evento tiveram uma média de 5,5 dias em Whistler, uma média de US $ 500 dólares foi gasto por dia.

O resultado do estudo, em comparação com o último realizado em 2006, mostra um aumento de mais de 35% no parque de bicicleta e de mais de 65% nas trilhas de Enduro e XC (Lost Lake).

 

lord4
Sinalização padronizada em todas as trilhas

Então, não nos conte histórias. A bicicleta de montanha, além de um modo de vida saudável e perfeitamente compatível com a natureza, é um modelo econômico exemplar e um crescimento ilimitado. Eu falo da verdadeira Mountain Bike, que transita trilhas épicas, em lugares de natureza impressionante, bem construída, procurando fluidez, passos técnicos e diversão. Não é a popular bicicleta de montanha espanhola para interconectar trilhas construídas décadas atrás e dizer que é um rutón. O suficiente para se sentir como um verdadeiro vilão para seguir um caminho divertido. Tudo isso tem que mudar. Está em nossas mãos que deve mudar dentro de 10, 20 ou 30 anos.

Espero que possamos escrever algum dia uma publicação que comece “Era uma vez em Madri, …”

mapa_whistler
Mapa do Trailforks em Whistler. São 517km de trilhas para bicicleta. https://www.trailforks.com/region/whistler/

 

 

A NSMBA é uma aula sobre o mountain bike organizado em proporções épicas

A NSMBA é uma aula sobre o mountain bike organizado em proporções épicas

 

Adjacente à região metropolitana de Vancouver, no oeste do Canadá, há um vasto sistema de trilhas que surgiu de forma orgânica desde 30 anos atrás. O número catalogado de trilhas no Trailforks é assombroso: 2362 trilhas, abrangendo uma distância total de 2995 quilômetros, usados por um número estimado próximo à 250.000 ciclistas, sem contar caminhantes.

Todas esssas trilhas estão compreendidas dentro da North Shore, uma floresta temperada que recebe até 4000mm de chuvas anuais. Para efeito de comparação, a cidade Florianópolis, as vezes chamada de Chuvianópolis, recebe uma média anual de 1500mm, pouco mais de 1/3 terço do que cai em Vancouver.

rainydayvancouver
Um dia típico em Vancouver

Dentre os sistema de trilhas existentes, dois dos mais populares são Mount Seymour e Mount Fromme, que são adotados pela North Shore Mountain Bike Association – NSMBA, a mais organizada das associações ou clubes que cuidam das trilhas da cidade.

A NSMBA é uma aula sobre como viabilizar o mountain bike de forma organizada e sustentável e gerar resultados grandiosos. Aqui descrevemos os pontos chaves desta empreitada de sucesso.

NSMBA-MTN-TAG-logo-_-website

As origens da NSMBA

A NSMBA foi formada em 1997 como resposta à sabotagem em trilhas específicas para mountain bike. Nessa época o esporte era relativamente novo e essas ações não eram um bom presságio para a segurança futura dos bikers na North Shore.

Também haviam rumores circulando sobre investidas que potencialmente inibiriam o acesso às trilhas por ciclistas. Haviam boatos que uma empresa iria tomar conta do Mount Fromme e cobrar pelo acesso. Também boatos que loteamentos novos iriam tirar trilhas no Mount Fromme e Seymour.

O problema que os praticantes de mountain bike enfrentavam era a falta de uma organização de base, raiz, capaz de formular uma resposta unida contra essas ameaças.

Depois de formada, em 2009, a NSMBA quase implodiu e estava operando sem um quadro de diretoria, com um comunidade não engajada. Apenas dedicados construtores de trilhas estavam empenhados. Na época o presidente deu um ultimato, ou a associação se desfazia ou seria reconstruída.

p5pb12433164

Das bases à liderança

Desde 2010 a associação se tornou líder no campo emergente de soluções para trilhas sustentáveis. Iniciativas educacionais, tanto locais e regionais, são focadas em cuidados de longo-prazo. A comunidade se tornou um grande grupo de voluntários educados e engajados que participam em várias iniciativas como a Shore Corps, o Plano de Adoção de Trilhas e a Academia de Formação de Construtores de Trilhas.

Pessoal e Administrativo

A NSMBA depende predominantemente de voluntários. A Diretoria é toda formada por voluntários não pagos, apaixonados pelas trilhas da North Shore. A Diretoria é apoiada por dois staff, um gerente de programas integral e um admistrador meio-período.

A Diretoria é eleita anualmente. São responsáveis por planejar o futuro da organização e tem o deveer de agir de boa fé e com uma visão sobre os melhores interesses da Associação.

riding on vancouver's north shore

Arrecadação

Os ciclistas e caminhantes ou corredores que usam as trilhas são incentivados em campanhas a se tornarem membros da associação. Isso é feito por meio de um programa de adesão, onde a pessoa paga 40 dólares para o ano.

Tornar-se um membro da NSMBA não tem a ver com acesso às trilhas. Essa adesão significa que a pessoa se importa com as trilhas e lhe dá uma voz junto aos patrocinadores, os proprietários dos terrenos e os vários níveis do governo canadense.

Uma segunda forma de contribuição, mais barata, é a compra do passe anual, no valor de 15 dólares.

O dinheiro é usado para

  1. Pagar trabalho profissional em projetos específicos
  2. Pagar materiais, ferramentas e equipamentos para uso de voluntários em dias de trabalho
  3. Gerenciar programas que eduquem a comunidade nas melhores práticas de construção de trilhas
  4. Engajar de forma pró-ativa com os proprietários dos terrenos para garantir seu apoio e investimento na rede de trilhas

p5pb13600027.jpg

Plano de Adoção de Trilhas

Funciona pela parceria entre comunidades ou empresas com profissionais treinados como construtores de trilhas. O adotante de uma determinada trilha submete um projeto, que depois é aprovado e executado por uma equipe constituída pelos interessados da sua comunidade/empresa.

Trail-Building-NSMB-AndrewM-4.jpgw1600.jpg

Academia de Formação de Construtores de Trilhas

O programa começa com um a sessão teórica que ensina fundamentos de técnicas modernas para verificar, construir e manter trilhas, com grande foco na sustentabilidade de longo prazo e experiência positiva por parte dos usuários das trilhas. Cada aula é seguida por um dia na floresta para aprendizagem prática.

O programa é gratuito, mas aberto apenas para membros.

MEC Trail Day web.jpg

Shore corps

Um programa composto pelos graduandos da Academia de Formação, que recebem um crachá e podem trabalhar na floresta sob a tutela de um Líder Construtor. Seus membros participam de projetos de melhorias nas trilhas existentes.

p5pb13600019

Melhores Práticas na Construção de Trilhas

A NSMBA usa o padrão mais robusto aplicável. Esse princípio é aplicado à topografia e clima únicos da região, com foco no longo-prazo. Os projetos são feitos em cima do que existe e almejam o resultado de maior qualidade possível que contemple a Equação de Sustentabilidade de:

  • Alta capacidade de carga
  • Volume de chuvas extremo
  • Fácil acesso
  • Disponibilidade ao longo do ano inteiro

A rede de trilhas que existia antes do surgimento da NSMBA foi criado de forma orgânica sem nenhum planejamento central. Elas foram construídas em uma época onde “sustentabilidade” não fazia parte do vocabulário. Devido o impacto acumulado desses fatores, muito do trabalho completado pela associação tem o intuito de ser um upgrade do que já existia.

p5pb13600008.jpg

Referências

  1. Cidade Florianópolis no Wikipedia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Florian%C3%B3polis
  2. North Shore Mountain Bike Association 101 – Understanding the Organization’s Future and Purpose: https://drive.google.com/file/d/0BybBpJdymDJvOUJHQlFfWTVUeWs/view